Neurônio 2.0
sexta-feira, 21 de novembro de 2014

See You In Another Life Brotha

See You In Another Life Brotha


domingo, 5 de outubro de 2014

Cine Terror 6D – exaustivo dia de trabalho, ou não!

Nos dias 02 e 03 de outubro aconteceu na Etec João Maria Stevanatto de Itapira a VI Feira Tecnológica, um evento preparado pelos alunos para apresentar à comunidade alguns projetos desenvolvidos durante as aulas em cada curso.

Este que vos escreve, sendo parte do corpo docente do curso técnico em informática para internet, sugeriu no início deste semestre que os alunos desenvolvessem um cinema 6D, no qual eles utilizariam diversos recursos tecnológicos e de produção para desenvolver este projeto.

A ideia parecia ser muito boa, mas para colocá-la em prática precisaríamos de vários equipamentos para criar a estrutura física necessária ao projeto. Além disso, exigiria muita dedicação e empenho por parte dos alunos. Apesar do entusiasmo deles, tenho que confessar que tinha minhas dúvidas se realmente esse projeto sairia do papel. Não que eu não acreditasse neles, mas por causa das muitas dificuldades que eles encontrariam no caminho.

Pois bem, para resumir essa parte da história, seguem algumas considerações sobre o projeto e os resultados acadêmicos obtidos:

Imagens de divulgação do Cine Terror 6D
Imagens de divulgação do Cine Terror 6D

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

A incrível jornada do livro "Diário de um Blogueiro"

É com enorme alegria anuncio aos amigos leitores do Neurônio 2.0 que meu e-book “Diário de um Blogueiro” foi publicado pela editora Porto de idéias. Agora, além da versão digital vendida no Hotmart, será possível também comprar a versão impressa do livro.

Faltam-me palavras para descrever a maravilhosa sensação de ver concretizado este projeto. Foram mais de dois anos de trabalho, esforço e dedicação para finalmente realizar este sonho de ter uma publicação no mais tradicional formato, o velho e bom papel impresso.

Diário de um Blogueiro



No artigo de hoje, além de anunciar oficialmente o lançamento do livro, gostaria de compartilhar com vocês um pouquinho de como foi minha jornada.

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Não quero ser superficial

A revista INFO trouxe uma entrevista com uma das personalidades mais influente e polêmica na área da Tecnologia da Informação: Nicholas Carr. Autor de diversos artigos e livros ele conversou com Renata Leal sobre a "febre" twitter e as transformações no comportamento intelectual na era da informação que vivemos hoje. As opiniões do entrevistado me deixaram um tanto quando preocupado por sentir que me enquadrava no perfil “superficialista” do qual ele falava, então pensei que seria interessante escrever sobre e quem sabe discutir o assunto aqui no blog.

Segundo Nicholas Carr em seu livro The Shallows (“Os Superficiais”, em inglês) a internet nos bombardeia diariamente com milhões de informações. Mas isso não significa necessariamente que estamos nos tornando pessoas melhores, pois quanto maior o número de informação, menor será o tempo que passamos nos aprofundando em um assunto e isso consequentemente, como define o autor, nos torna pessoas superficiais.

Suponho que muitos blogueiros e internautas têm o hábito, como o meu, de ler o título do post no seu leitor RSS e dependendo do assunto marca-o com lido logo de primeira, ou ainda desiste de ler o post quando vê que ele possui mais de três páginas. Este é um dos sintomas de superficialidade do qual Carr defende: Acessar e percorrer os olhos por milhares de notícias e informações, mas não se aprofundar em nada. Adotei este comportamento na tentativa de acompanhar diariamente o que acontece na blogosfera. Pura ilusão a minha. É lamentável, mas acredito e me enquadro no perfil de "superficial" que Carr descreveu, pois passar horas na internet percorrendo os olhos em centenas de artigos não é nem de longe uma maneira eficiente de aprender ou se manter informado sobre qual coisa.

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Crônica: A Trupe

Há certos momentos que devemos parar para refletir sobre o real sentido das coisas na nossa vida e refiro-me não apenas sobre quem nós somos, mas também sobre como nós interagimos com as pessoas à nossa volta. Tantas pessoas passam pela nossa vida todos os dias e sem saber ao certo o porquê, algumas passam tão rápido como as chuvas de verão e outras, surgem como o nascimento de uma estrela e mesmo a distância, permanecem irradiando sua luz na nossa vida. A esse último grupo de pessoas costumamos genericamente chamar de amigos.

É engraçado o processo de fazer novos amigos. Não há uma formula mágica em que você chega para a pessoa e diz: “Ei! Me dá R$1,00”. A amizade é construída aos poucos com as pessoas se conhecendo e tendo a chance de falar, umas falam mais que as outras, é claro, mas a coisa coisada vai acontecendo assim bem coisadinha até que quando percebemos já estamos chamando aquele desconhecido de amigo.

Fazer amigos é intrínseco das pessoas, mas como é raro hoje em dia encontrar bons amigos. Parafraseando o dito popular: bons amigos são a família que Deus nos permitiu escolher, porque amigo verdadeiro nunca deixa de ser amigo, eu, pelo menos, nunca ouvi alguém dizer que tem um ex-amigo. Eu concordo em gênero, número e grau com que o boi falou: ele disse que amigos são amigos mesmo quando suas opiniões são divergentes sobre política, religião, futebol, opção sexual e frutas – ok, este último comentário foi bem Débora, e, apesar de estar escrito aqui, não era isso que eu queria dizer.

trupe

As pessoas entram em nossa vida por acaso, às vezes até com um simplório “Oi! Você por aqui”, no cursinho pré-vestibular, mas não é à toa que elas permanecem. Para isso, é preciso muitas aulas que dão sono “pra c*ralho” para debatermos sobre qual a melhor mão para abrir seu “shampoo nheta” e qual a melhor forma de passar no vestibular: "É melhor não saber o exercício e acertar, do que saber o exercício e errar".

terça-feira, 19 de agosto de 2014

Receita de bolo de cenoura da Dona Iza

Levantei hoje, um sábado, com a seguinte meta: aventurar-me na cozinha e preparar a única coisa razoavelmente complexa que aprendi a cozinhar com minha mãe, a Dona Iza, que é bolo de cenoura com cobertura de chocolate.

Normalmente, aos sábados, costumo ouvir algum nerdcast depois do almoço e dessa vez, enquanto aprendia mais sobre o Sistema Solar, preparei o bolo de cenoura e baguncei toda cozinha para desespero da minha esposa.

Resolvi aproveitar o momento e tirar algumas fotos para compartilhar aqui no blog a receita dessa iguaria saborosa que é o bolo de cenoura da minha mamãe. Veja na imagem a seguir como ficou o bolo de cenoura e caso tenha gostado, a receita está logo em seguida.

Bolo de Cenoura da Dona Iza
Bolo de cenoura da Iza

domingo, 17 de agosto de 2014

Equilíbrio e Resultados - Reunião com Christian Barbosa

Christian, nossas reuniões esta semana foram incríveis! Mesmo já tendo acompanhado há muito tempo o seu trabalho no blog, nas entrevistas e nos livros, sua proposta com a Matriz da Vida foi realmente muito pertinente para inovar e dar exemplos práticos do que nos impede de ter equilíbrio e resultado na vida.

Todos os anos faço meu planejamento de Ano Novo, mas nunca havia reparado que algumas metas são voltadas para o SER e outras para o TER. E, nas nossas reuniões, tive a oportunidade de visualizar melhor o que preciso fazer para continuar na célula 4, com alto equilíbrio e alto resultado.

 
;