domingo, 30 de dezembro de 2018

Conclusões do meu intercâmbio e ano sabático

Em um lugar há muito tempo esquecido eu vivia uma vida simples, pacata e normal; tentando de alguma forma mudar o mundo à minha volta. No entanto, um belo dia, o destino enviou-me um sinistro "mago" que bateu à minha porta e, de uma forma nenhum pouco sutil, obrigou-me a enfrentar uma jornada (interior) repleta desafios que mudará completamente a minha essência. Para melhor ou pior? Eu ainda não sei...


O ano de 2018 está acabando e com ele o meu período sabático. Nos últimos 12 meses me afastei da rotina diária para viver uma vida na qual pudesse desenvolver novas habilidades, conhecer uma nova cultura, conhecer meus limites e descobrir um novo eu.

Este tempo longe de tudo e todos serviu para inúmeras reflexões, e também fazer coisas que nunca imaginaria que eu pudesse fazer um dia; de estagiar em uma empresas de tecnologia no exterior, a dançar com várias mulheres sexy em uma balada LGBT; de tomar vinho de R$ 500,00 em um restaurante giratório, a dormir na rua como se fosse um sem-teto.

Apesar de alguns perrengues e a pequena fortuna que gastei investi, é impossível não afirmar que o ano sabático e o intercâmbio foram as melhores decisões que tomei em toda minha vida, por várias razões, tanto profissionais como pessoais.

Neste intercâmbio na Nova Zelândia não encontrei todas as respostas que estava buscando, mas descobri motivos para continuar seguindo em frente; não evolui no inglês tanto quanto gostaria, mas tive experiências e momentos inesquecíveis; não mudei tudo o que eu queria, mas descobri o que eu precisa sobre mim.



Infelizmente – ou, felizmente – minha busca interior não chegou nem perto do fim. Eu esperava que quando chegasse a Devonport eu teria algumas respostas. No entanto, ao chegar lá descobri que este famigerado lugar não era o meu ponto de chegada, mas na verdade o meu ponto de partida, mais ou menos como aconteceu em “A vida secreta de Walter Mitty”, o filme que me deu o empurrãozinho que faltava para cair na estrada.

"Para ver o mundo e as coisas perigosas que estão por vir,
Para ver além das paredes e chegar mais perto,
Para encontrar o outro e sentir.
Esse é o propósito da vida." 


Investi todas as minhas economias neste ano sabático, mas tenho a sensação de que vivi uma vida inteira em apenas sete meses. E, muito mais do que que falar inglês, programar no exterior, conhecer uma nova cultura e visitar lugares paradisíacos, o que mais me marcou foram as pessoas que tive o privilégio de conhecer e conviver por algum tempo. Pessoas essas que compartilharam comigo a sua felicidade, sentimentos e experiências de vida.

Algumas pessoas passaram rápido como se fossem um cometa, mas foram intensos o suficiente para serem lembrados por muitos anos. Já outras pessoas chegaram vagarosamente, cada um com seu jeitinho único de ser para ensinar-me alguma coisa, e por mais que a distância nos separe, a luz dessa amizade será como uma estrela e brilhará para sempre em meu coração.

  


Enfim, o ano sabático não me trouxe uma resposta “bala de prata”, mas me permitiu conhecer pessoas, ver o mundo de outra perspectiva e organizar meus pensamentos para definir meu próximo passo em 2019, que é dar continuidade ao melhor ano de todos no ETIM Informática.

Se eu me tornei uma pessoa melhor? Definitivamente, eu não posso afirmar isso.

0 comentários :

Postar um comentário

 
;